sábado, janeiro 30, 2010

LIVRO apresentação

Livro Memórias Vivas do Jornalismo
de Fernando Correia e Carla Baptista

José Rebelo e Miguel Gaspar apresentam na Livraria Barata, em Lisboa, no próximo dia 11 de Fevereiro, às 18h30, o livro Memórias Vivas do Jornalismo, da autoria de Fernando Correia e Carla Baptista. A Editora Caminho, a Livraria Barata e os autores convidam os sócios da SOPCOM a assistir a este lançamento.

quinta-feira, janeiro 14, 2010

AGENDA CULTURAL DE LISBOA Um protesto

"14 de Janeiro de 2010



Caro António Costa,



A IST-PRESS, editora do IST, está a editar (está na tipografia) um livro meu sobre a Teoria da Relatividade, que será apresentado no IST no próximo dia 20.



Por sugestão minha, enviou em Dezembro para a Agenda Cultural da Câmara Municipal de Lisboa a nota com um pequeno texto sobre este livro (que lhe envio aqui em anexo) com o pedido de a divulgar nas páginas da agenda sobre novos livros.



A agenda de Janeiro já estava encerrada mas, quando o pedido foi renovado para a notícia sair na agenda de Fevereiro, a IST PRESS foi informada por um email, de 5 de Janeiro, de que:



" O pedido de divulgação do livro "Relatividade e Física Clássica - continuidade e ruptura" de António Brotas mereceu a nossa melhor atenção. Informamos, no entanto que não se enquadra na política editorial da Agenda Cultural, pelo próprio perfil de publicação, a divulgação de livros técnicos. Assim damos preferência a géneros destinados ao público em geral a que se destina uma publicação desta natureza: romance, poesia, ensaio e literatura infanto-juvenil. "



Os responsáveis pela Agenda Cultural nem sequer viram que não se trata de um livro técnico, mas científico - e acessível a um largo público. Em qualquer caso, considero um atentado cultural a Agenda Cultural da Câmara de Lisboa ter uma política editorial que exclui, como opção de princípio, livros de divulgação científica. Como igualmente seria a exclusão de livros técnicos produzidos em Portugal e de interesse para o público português.



Trata-se, no fundo, de tratar este público como um público menor, e de ter uma ideia muito estreita, e a meu ver muito nefasta, da cultura que interessa ao país.



Como munícipe penso que a Câmara de Lisboa deve rever este assunto.



Peço-lhe, assim, que no próximo dia 20 mande alguém ao IST comprar o livro e assistir ao seu lançamento, para lhe dar um parecer sobre se a Agenda Cultural da Câmara de Lisboa do mês de Março o deve referir, ou não.



Como munícipe vou estar atento.



Em anexo, envio-lhe, desde já, além do anúncio do lançamento, o índice do livro e cópia de um sub capítulo.



Com as minhas melhores saudações



António Brotas"

terça-feira, janeiro 12, 2010

I Jornadas de Investigação em Artes e Comunicação

A 16 e 17 de Janeiro, no Campus da Penha

CIAC promove I Jornadas de Investigação em Artes e Comunicação

O Centro de Investigação em Artes e Comunicação (CIAC) da Universidade do Algarve (UAlg) organiza, a 16 e 17 de Janeiro, as I Jornadas de Investigação em Artes e Comunicação. O evento decorrerá entre as 09h00 e as 18h30 no Anfiteatro 0.5 do Complexo Pedagógico do Campus Penha.

As intervenções nas I Jornadas de Investigação em Artes e Comunicação dirigem-se a um público especializado na área das artes e da comunicação e têm como objectivo promover a divulgação da investigação que está a ser desenvolvida por professores, investigadores e alunos de doutoramento do CIAC, bem como estimular o debate interdisciplinar entre as diversas áreas de especialização e de actuação deste centro de investigação.
Segundo a Prof.ª Gabriela Borges, investigadora do CIAC e responsável pela organização do evento, «serão apresentados projectos de doutoramento e pós-doutoramento em curso e recentemente finalizados, bem como os projectos em desenvolvimento nas áreas do Teatro e Estudos da Performance, Comunicação, Estudos Fílmicos e Artes Visuais».
As I Jornadas de Investigação em Artes e Comunicação, de entrada gratuita, têm ainda o intuito de proporcionar o debate entre os membros e colaboradores do CIAC tanto do seu pólo na UAlg como do pólo na Escola Superior de Teatro e Cinema do Instituto Politécnico de Lisboa, «trazendo ao conhecimento da comunidade académica do Algarve as mais recentes investigações desenvolvidas nas áreas de especialização do centro», sublinha a investigadora.
Mais informação na programação em anexo.


Responsável pela organização:
Prof.ª Doutora Gabriela Borges
FCHS – Campus Gambela
Tel: 289 800 900 - Ext. 7817
Tel.: 962 643 749
E-mail: gaborges@ualg.pt

Informações e inscrições:
Gabinete de Eventos da FCHS
Sr.ª Isabel Afonso
E-mail: gefchs@ualg.pt | Telefone: 289800900 - Ext.: 7914

Faro, 11 de Janeiro de 2010

segunda-feira, janeiro 11, 2010

CAFÉ PHILO, dia 12 de Janeiro 3º feira

CAFÉ PHILO

DIA 12 de JANEIRO às 21H00
Na Cafetaria do INSTITUTO FRANCO-PORTUGUÊS
TEMA: A ESTUPIDEZ / LA BÊTISE ?

Debate em francês e português animado por

Jean-Yves Mercury
Dominique Mortiaux
Nuno Nabais


É já amanhã dia 12 às 21h00 o primeiro Café Philo deste ano. É na cafetaria do Instituto Franco-Português e o tema é: A Estupidez / La bêtise.

« La bêtise », tel sera le thème de notre prochain café-philo du mardi 12 janvier 2010, à 21h à l’institut franco-portugais. Voilà une notion en un sens problématique car elle peut être référée à un comportement, à un discours ou encore à une attitude. En tout état de cause il s’agit d’un jugement de valeur qui relève d’un point de vue qui lui se définit comme « plus raisonnable », « plus intelligent » ou encore « plus juste ». C’est dire que la bêtise est une réalité humaine bien que l’on puisse constater que la racine du mot renvoie explicitement à « la bête ». Or d’un point de vue philosophique la bestialité reste le propre de l’homme et non de l’animal. Est-ce dire pour autant que la bêtise nous ramène du côté de l’animalité ? Nous ne le pensons pas vraiment même si, en bien des cas, celui/celle que l’on juge « bête » semble précisément manquer d’intelligence, de jugement, de raison. Autant de qualités qui sont en partage, inégal certes, au sein de l’humanité. Alors qu’est-ce donc que la bêtise ? N’est-ce qu’un comportement lié à l’absence de perspicacité ? N’est-ce qu’un défaut du jugement ? N’est-ce qu’une absence de pensée ? Par pensée il nous faut entendre une activité normée par la raison et le souci de cohérence interne comme par la recherche de la vérité…Or nous le savons bien, penser, en ce sens, est un travail qui exige réflexion, questionnement et ouverture d’esprit. Descart! es le ra ppelle souvent, ce qui nous sépare des bêtes c’est la seule pensée dont la preuve tangible reste le langage articulé et c’est en ce sens qu’il nous rappelle que « le bon sens est la chose du monde la mieux partagée ». Il veut dire par là que tout homme est capable de penser et d’exprimer ses pensées afin de se faire comprendre. Mais si tel est bien le cas que penser de la bêtise ? Ne peut-on dire qu’elle est, elle aussi, la chose du monde la mieux partagée ? Or si il en est ainsi quels sont les critères qui nous permettraient de l’établir ? Y a-t-il des degrés de bêtise dont les conséquences seraient plus ou moins dommageables ? La bêtise est-elle objectivement liée à des facteurs socio-culturels et économiques ? Est-elle réductible à un manque de culture par exemple ? N’est-elle qu’étroitesse d ‘esprit, possible stupidité voire imbécillité ? N’y aurait-il pas une bêtise valorisée, celle de la simplicité du cœur, celle qui échappe aux calculs, ceux de la manipulation et domination ? « Heureux les simples d’esprit ! »… mais cela veut-il dire qu’il sont « bêtes » vraiment ? Bref nous aurons de quoi à débattre en évitant si possible de nous faire happer par la bêtise dont nous pouvons sans doute penser qu’elle peut être collective tout autant qu’individuelle. « Bête » avez-vous dit mais qu’est-ce donc ?

CICLO de CINEMA no Instituto Franco-Português

de 18 a 28 de Janeiro de 2010 às 19H00

EM TORNO DE MARGUERITE DURAS

Este ciclo de 6 filmes dá a descobrir ou redescobrir a obra escrita de Duras através do olhar de outros cineastas, por ocasião da retrospectiva integral dedicada à realizadora Marguerite Duras na Cinemateca Portuguesa (22 de Janeiro a 15 de Março) e da representação da peça "La Musica" de Duras, encenada por Solveig Nordlund, no CCB (21 a 25 de Janeiro).

No Cinema, projecções às 19H00
MARGUERITE DURAS de Solveig Nordlund | 2ª Feira, 18 de Janeiro
HIROSHIMA MON AMOUR de Alain Resnais | 3ª Feira, 19 de Janeiro
L'AMANT de Jean-Jacques Annaud | 5ª Feira, 21 de Janeiro
MODERATO CANTABILE de Peter Brook | 2ª Feira, 25 de Janeiro
CET AMOUR-LÀ de Josée Dayan | 3ª Feira, 26 de Janeiro
UN BARRAGE CONTRE LE PACIFIQUE de Rithy Panh | 5ª Feira, 28 de Janeiro

E na Mediateca
Descubra toda a obra literária e cinematográfica de Marguerite Duras, a critica literária da sua obra e as biografias existentes na Mediateca do Instituto Franco-Português.

Exemplo de monografias criticas disponíveis:

“Marguerite Duras” /Laure Adler. - Gallimard, 1998.
Cahiers de l'Herne Nº86 , “Marguerite Duras” / Bernard Alazet ; Christiane Blot-Labarrère. - Paris : Herne, 2005.
“«La Pluie d'été» de Marguerite Duras” / Jacques André. - M.A.E., 1996.
“Marguerite Duras et l'autobiographie” / Aliette Armel. - Le Castor Astral, 1996.
“Marguerite telle qu'en elle-même” / Dominique Auvray. - M.A.E., 2002.
“Duras ou la douleur” / Danielle Bajomée. - Ed. Universitaires, 1989.
“Duras, toujours.” / Dominique Noguez. Actes Sud, 2009.
“La Couleur des mots - Marguerite Duras, Edition vidéographique critique” / Jérôme Beaujour ; Jean Mascolo ; Dominique Noguez. - M.A.E.,1984.

Venha às instalações da Mediateca ouvir a voz de Marguerite Duras:

Marguerite Duras (1914-1996) : Le ravissement de la parole / Marguerite
Duras ; interviewé par Jean-Marc Turine. - Compact Radio France ; Paris
: INA, 1997. Archives sonores.

Exposição de fotografia Eduardo Gageiro

A Livraria CÍRCULO DAS LETRAS

convida os seus amigos e amigas

18 Janeiro | 2ªfeira | 19.00h

Exposição de fotografia

Cidades R 25da Água

EDUARDO GAGEIRO

"SILÊNCIOS"

CÍRCULO DAS LETRAS – Rua Augusto Gil, 15 B (cruzamento com Oscar Monteiro de Torres / próximo –Av Roma /João XXI) – 210938753

domingo, janeiro 10, 2010

EXPOSIÇÃO Eurico Gonçalves

Inaugura uma exposição antológica de Eurico Gonçalves no Palácio Galveias, Campo Pequeno, Lisboa, dia 5 de Fevereiro às 21.30. O prefácio do catálogo é de Dalila d' Alte-Rodrigues, que realizou uma tese de doutoramento intitulada "A Obra de Eurico Gonçalves, na Perspectiva do Surrealismo Português e Internacional". No âmbito de uma visita guiada à exposição, no dia 20 de Fevereiro, às 16h, sábado, Eurico fará referência ao seu livro "Dada-Zen / Pintura-Escrita", que será exibido numa vitrina. No dia 27, também sábado à mesma hora, Rui Mário Gonçalves faz uma palestra intitulada "Retrato do Artista Quando Jovem".

Festival Internacional de Cinema Jovem

INSCRIÇÕES ABERTAS | DATA LIMITE 12 de Março de 2010

As inscrições encontram-se abertas até 30 anos de idade, e estamos convidar todos os interessados a enviar os seus trabalhos.

O FEST – Festival Internacional de Cinema Jovem é agora um dos eventos culturais mais importantes em Portugal na área da Juventude.

FEST é uma grande oportunidade e um excelente fórum para os novos realizadores, uma excelente local para quem deseja estabelecer-se nesta indústria.

As categorias a concurso são:
• A – Ficção
• B – Documentário
• C – Experimental
• D – Animação
• E – Vídeo Musical

Em alternativa a esta secção haverá também a secção Castelo de Prata para realizadores que tenham a sua primeira ou segunda longa-metragem, sem limite de idade.

O EVENTO NÃO COBRA TAXA DE INSCRIÇÃO


A FICHA DE INSCRIÇÃO E O REGULAMENTO ESTÃO DISPONÍVEIS NO NOSSO WEBSITE

www.fest.pt

FEST – Training Ground, que é uma actividade paralela do festival, recebeu em Portugal participantes de todo o mundo em sua edição anterior, e garante uma atmosfera absolutamente vibrante para o evento.

www.trainingground.fest.pt

Com os melhores cumprimentos,


Morada
FEST - Festival Internacional de Cinema Jovem
FEST - International Film Festival

Apartado 234
4501-910
Espinho
Portugal

E-mail:

fest@fest.pt

Website:
www.fest.pt

terça-feira, janeiro 05, 2010

BOLSAS PARA JORNALISTAS

BOLSAS PARA JORNALISTAS NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROGRAMA JOSÉ RODRIGUES MIGUÉIS 2010 DA FUNDAÇÃO LUSO-AMERICANA


Estão abertas as candidaturas, até ao próximo dia 10 de Fevereiro (23h59 GMT), para jornalistas portugueses, ou com cidadania da União Europeia, residentes em Portugal, a uma bolsa de curta duração nos Estados Unidos da América para um programa de aperfeiçoamento profissional a ter lugar de 21 de Junho a 2 de Julho deste ano.

Os seleccionados irão beneficiar, em Washington DC, de um curso de duas semanas no Committee of Concerned Journalists.

A bolsa inclui as despesas de viagem, alojamento e propinas.

Para se candidatarem ao Programa José Rodrigues Miguéis 2010 os jornalistas devem obedecer aos seguintes requisitos:



o Idade até 40 anos

o Mínimo cinco anos de experiência profissional

o Bom domínio da língua portuguesa e da inglesa

o Detentores de carteira profissional

o Ligação por contrato/vínculo a um órgão de comunicação social (imprensa, rádio, televisão ou jornalismo online) é critério de preferência

o Habilitações ao nível do ensino superior são critério de preferência



Não haverá recurso das decisões do júri para qualquer outra instância decisória.

Os candidatos deverão candidatar-se online através de http://flad.multiweb.pt em língua portuguesa e inglesa. Posteriormente, em data a indicar, todos os candidatos prestarão provas de inglês.

Apenas os candidatos que ultrapassarem com êxito os testes de língua inglesa verão a sua candi­datura analisada pelo júri composto por António José Teixeira (SIC Notícias); Cesário Borga (RTP); Carla Baptista (Universidade Nova de Lisboa); Ricardo Rodrigues (Notícias Magazine); Sara Pina (Universidade Lusófona), coordenadora e representante da FLAD. O Júri designará os dez candida­tos mais pontuados e dois suplentes. Os candidatos seleccionados terão de proceder ao pagamen­to de uma taxa de inscrição de 250 euros.

Convida-se a concorrer jornalistas provenientes de todo o território nacional, incluindo, natural­mente, os que exerçam a sua profissão nos Açores e Madeira.